Folge uns
iBookstore
Android app on Google Play
Gefällt mir
Ein Programm der Universität Leiden
Observando aves no espaço!
26. September 2012

Já olhou para o céu e viu figuras imaginárias nas nuvens? Os astrónomos também o fazem, só que neste caso as nuvens são chamadas de nebulosas e encontram-se bem longe no espaço. Ao contrário das nuvens na Terra que são feitas de água, as nebulosas são compostas de gás e poeira. Nos remoinhos da nuvem nesta imagem, os astrónomos observaram a forma da cabeça de um pássaro e chamaram-na de Nebulosa da Gaivota.

Como normalmente o gás e a poeira são frios, não brilham com uma luz suficientemente intensa para serem vistos pelos nossos olhos – quanto mais quente for um objeto, mais brilhará. Isto também é válido noutras situações. Se alguma vez tocou numa lâmpada que esteve ligada durante algum tempo, sabe que fica muito quente! A nebulosa nesta foto brilha com uma cor vermelha devido a uma estrela muito quente que se encontra no seu centro. Pode vê-la aqui como o “olho da gaivota”. O calor proveniente desta estrela tem aquecido o gás circundante, fazendo-a brilhar de forma visível. 

Consegue também ver uma névoa azul em toda a imagem? Esta é a poeira que foi iluminada por estrelas jovens e quentes dentro da nebulosa. A luz das estrelas é refletida pelos grãos de poeira, tornando-os visíveis, o mesmo acontece quando aponta a luz de uma lanterna para alguns dos seus brinquedos numa sala escura: consegue vê-los, os seus brinquedos refletem a luz da sua lanterna e são detetados pelos seus olhos. 

A imagem mostra apenas uma pequena parte da nebulosa. Toda a nuvem espalha as suas asas sobre uma enorme extensão do espaço e parece-se com um pássaro em voo! Dê uma olhadela aqui

Facto curioso

: A estrela no centro da imagem ('o olho da gaivota') tem uma estrela companheira. As duas estrelas orbitam entre si, são chamadas de estrelas binárias!

Mehr Informationen

 Este Space Scoop é baseado no seguinte ESO Press Release.

Share:

Bilder

Vögel beobachten im Weltraum
Vögel beobachten im Weltraum

Printer-friendly

PDF File
1,0 MB